sábado, 10 de setembro de 2011


A inveja é um sentimento destrutivo quando não controlado. No trabalho ou em qualquer outro ambiente ela destrói as relações. Sentir inveja da amiga pela formação ou até mesmo pela família que tem é muito comum hoje em dia. Existem pessoas que se preocupam em saber quanto à pessoa ganha, com o que gasta, se viaja e esquece-se de viver sua própria vida ou de ir à busca de suas próprias conquistas. É muito ruim o sentimento de inveja, pois acredito que tira a paz interior e causa tormento.
As pessoas não admitem que sentem inveja, sequer tomam conhecimento de discussões sobre o assunto. O importante é cuidar de si e dos seus, deixando o alheio para o alheio.
Bom começo para a felicidade!


Considero a inveja uma das complexidades humanas e que passa sim pela vida de todo mundo. Apenas tenho defendido uma tese com duas variantes: há pessoas efetivamente invejosas e pessoas que percebem a sensação da inveja na própria vida. Considero como diferença entre uma e outra, a concepção de afirmar que a pessoa invejosa é aquela que de fato se obstina em destruir a outra pessoa que lhe desperta inveja, a lançar mão de recursos as vezes até vis, geralmente mentirosos.
Quanto a outra vertente, creio se tratar de algo pra lá de normal nesta condição humana, que é uma espécie de percepção da " inveja batendo para entrar ", ilustremos assim, e se quem quer que seja "não abrir a porta", ela não entrará, e logo, não produzirá o danoso efeito, e então nem ao menos se tornará a efetiva inveja.
No meu ponto de vista, querer ter algo que você observa que um outro tem, [ em termos materiais, claro ] não significa necessariamente uma inveja, porque a inveja seria sentir raiva do que ou porque o outro tem. Creio que seja importante esta análise um pouco mais detalhada, porque confundem muito uma coisa com outra. Por exemplo, observar uma bela casa ou um ótimo automóvel e desejar ter algo parecido, porque aquilo lhe agradou, não significa inveja, se a pessoa observadora, não sentiu pesar pelo fato daquelas pessoas terem a bela casa ou o ótimo automóvel. O ser humano é uma criatura destinada a evoluir a melhorar de maneira efetiva, e cada um carrega dentro de si este desejo de evolução. Então, creio que por esta natural dádiva humana de ser uma criatura destinada a evoluir, seja normal também, querer uma casa melhor, uma mobília melhor, um automóvel melhor, etc. Assim crendo, diria que a condição que possibilita que a pessoa não seja efetivamente invejosa, mas tão somente alguém que, de vez em quando, ouve a inveja "bater à porta" e não a deixa entrar, é a descoberta DE QUE PARA MIM É IMPORTANTE O QUE ME BASTA. O que acabo de escrever, é baseado mais em mim mesmo do que no que observo na convivência social, mesmo porque, esta questão de inveja trata de algo que provavelmente habite o profundo do íntimo das pessoas. Porém, como cada uma lida com isto, classificando-as como invejosas ou não, pode nos aproximar da fronteira da injustiça.
Mas muitas vezes é notório e de fácil classificação, quando observamos a obstinação de uma pessoa em desqualificar outra, geralmente lançando mão de mentiras, de uma maneira freqüente e praticamente doentia. Aí sim, é obvio que habita e reina na pessoa assim obstinada, uma IMENSA INVEJA podendo se tornar até mesmo algo patogênico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário